Sejamos sinceros, “escrever” CSS é fácil se compararmos o quão difícil é manter e escalar o mesmo, mas felizmente temos muitas opções para tornar estas tarefas um pouco mais fáceis.

O objetivo deste post é resumir de forma bem resumida o que é PostCSS.

Antes de prosseguir com o post, por determinação da W3C devemos sempre postar o gif abaixo quando o papo é CSS.

CSS...

Bom, como eu ia dizendo, hoje temos várias opções para nos facilitar a vida, infelizmente o tempo vem nos provando que nenhuma delas é adequada e na verdade, cabe a você e sua equipe decidirem qual é a que melhor atende as vossas necessidades.

Recentemente abandonei os pré-processadores e migrei para o PostCSS, uma ferramenta que por padrão é muito útil e que não faz “nada”…

Antes de falarmos sobre PostCSS, vamos rever algumas soluções e metodologias que foram surgindo ao longo dos últimos anos e que foi moldando como escrevemos CSS atualmente.

Oh boy...

Metodologias

Seja ela SUIT CSS, BEM, OOCSS, SMACSS, […] entre tantas outras, todas elas possuem pontos positivos e negativos, e como falei acima, cabe a você decidir.

De uma maneira geral, todas cumprem o que prometem, se fosse para escolher uma eu optaria pelo SUIT CSS que tem nas suas raízes o BEM.

Pré-processadores

Resumindo os pré-processadores CSS: Syntax sugar e template language. Os pré-processadores tornaram a tarefa de escrever CSS muito mais fácil e ainda adicinou alguns “poderes” como loops, mixins, funções e mais um monte de coisas que raramente as pessoas usam para valer em projetos, mas que deveriam.

PostCSS

Ok, ao ponto principal do post, PostCSS.

Inside PostCSS

PostCSS nada mais é do que uma ferramenta que nos permite transformar CSS usando JS.

Conforme relatei acima, PostCSS por padrão é muito útil, porém não faz nada, pois o responsável pela transformação são os plugins e, como você pode imaginar, temos muitos plugins para os mais variados tipos de tarefas, existe até plugin para resolver problemas com plugins. 🤔

Basicamente uma chamada PostCSS é composta pelo Parser e pelo CSS Stringifier, conforme imagem abaixo:

Inside PostCSS

Em outras palavras, o Parser recebe uma string de CSS e transforma esta string em uma AST (Abstract Syntax Tree), enquanto que o CSS Stringifier faz justamente o contrário, ele transforma a AST (já modificada pelos plugins) em uma string CSS.

Deu pra perceber o quão poderoso isto é? Podemos fazer basicamente qualquer coisa com o CSS manipulando-o usando JS.

Mesmo com todo este poder, PostCSS é rápido, muito rápido! Veja o benchmark abaixo:

/* Results on node 5.0.0, Fedora 22, Intel 5Y70, 8 GB RAM and SSD::
PostCSS:   40 ms
Rework:    75 ms   (1.9 times slower)
libsass:   76 ms   (1.9 times slower)
Less:      147 ms  (3.7 times slower)
Stylus:    166 ms  (4.1 times slower)
Stylecow:  258 ms  (6.4 times slower)
Ruby Sass: 1042 ms (26.0 times slower)
*/

Entretando, podemos notar que com exceção da versão em Ruby do compilador do Sass, todas as demais são rápidas o suficiente. O benchmark completo pode ser visto aqui.

Como este post é apenas um breve resumo, não vou entrar em detalhes de configurações, isto fica para o próximo post que será sobre CSS Modules e ReactJS, mas apenas adiantando um pouco o assunto…

cssnext

Não, não teremos CSS4 (assim como não temos CSS3, e sim CSS com seletores level 3).

cssnext nos permite usar novas features do CSS (ex.: variáveis) hoje, ou seja, é como o Babel, só que “do css…”

Considere:

ul {
  --itemColor: #08C;
}

ol {
  --itemColor: #655;
}

/* Adivinha o que acontece?! */
li {
  color: var(--itemColor);
}

No exemplo acima, declaramos uma variável nativa do CSS e atribuímos 2 valores diferentes em 2 escopos diferentes; ul e ol. Todo li que estiver no escopo do ul terá uma cor azul e aqueles que estiverem no escopo do ol terão uma cor marrom. Bacana, não?

Apesar da sintaxe feia, variáveis nativas no CSS vão muito além do que atribuição de valores, se quiser saber mais recomendo ler este post escrito pela Diéssica.

Demais features do cssnext => http://cssnext.io/features/.

Not bad

CSS Modules

CSS Modules surgiu da necessidade de algum mecanismo de escopo no CSS.

Existe um draft sobre escopo nativo, porém ainda não passa de draft.

Com CSS Modules, tudo tem seu próprio escopo, ou seja local, dito isto não precisamos nos preocupar com nomes & prefixos de classes & conflitos.

Considere os seguintes componente Foo:

// Foo.js
import React, { Component } from 'react'
import styles from './foo.css'

class Foo extends Component {
  render () {
    return (
      <div className={styles.title}>Foo</div>
    )
  }
}
/* Foo.css */
.title {
  color: #666;
}

Mesmo usando uma classe com nome tão comum como title não terei problemas de conflitos pois quando compilado, meu componente vai ter uma classe “escopada” com uma hash, algo do tipo:

<div class="_6kldcs">Foo</div>

Not bad

E caso eu tivesse um componente Bar com a mesma estrutura e mesmo nome de classe, a hash seria diferente.

No próximo post explicarei em detalhes como funciona o escopo local e global no CSS Modules.

Continua no próximo episódio.